quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

20-2=20

O calendário da Fórmula 1 para 2012 chegou com 20 etapas programadas.
Depois caiu para 19,5, porque não sabiam se dava para ir ao Bahrein.
Mais adiante, caiu para 18,5, porque tiraram a etapa de Austin.
E por que tiraram?
STBS - Só Tio Bernie sabe.
Tio Bernie, então, lembrou da sábia frase do Chaves: "pois fique sabendo que quem dá e tira com o diabo fica, sua mão se danifica, sua avó será maldita e sua sogra ressuscita".
E decidiu recolocar Austin e confirmar o Bahrein.
O que não quer dizer que o calendário esteja definido, embora digam que sim.
Trabalhando com a realidade, teremos 20 etapas em 2012.
Vamos ver até quando...

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Na torcida

É fato. Nunca foi segredo.
Não existe esporte no Brasil.
Não existe cultura esportiva no Brasil.
O nosso esporte é torcer pelo Brasil.
E só falamos de esporte se o Brasil estiver nele.
Caso contrário, o ignoramos.
É assim que funciona, sempre funcionou e, provavelmente, continuará a funcionar.
Uma emissora de TV comanda a nação.
As outras existem, mas sem nenhum poder.
A TV a cabo está aí, sem a devida abrangência.
Ou seja, é uma emissora de TV e mais nada.
Uma emissora que não exerce a cobertura esportiva, mas o enaltecimento tupiniquim, o apoio incondicional ao País, a promoção dos "nossos" heróis.
Porque os atletas não são atletas. São nossos, nossos...nossos o que vier.
O Brasil considerava o tênis um esporte para burgueses metidos até que o nosso Guga venceu Roland Garros e o esporte virou mania nacional.
Ginástica olímpica era boa para russos, búlgaros e romenos, mas veio a nossa Daiane e mudou essa história.
Temos a obrigação de dominar o vôlei de praia, afinal, moramos em um país tropical, abençoado por Deus, bonito por natureza e que tem praias.
E éramos os melhores dentre os melhores nas pistas.
Tivemos o nosso Emerson, o nosso Nelson (que nunca quis ser de ninguém) e, principalmente, o nosso Ayrton, o mega herói que precisou superar a legião do mal, liderada por Alain.
Veio, então, a tentativa de criar o nosso Rubinho, que jamais teve carro para isso e, quando teve, faltava-lhe um contrato.
Vieram Antônio, Tarso, Luciano, Ricardo, Felipe, Lucas, Bruno...não, não foram. Um ainda pode ser, mas sem garantias.
A audiência caiu. Foram 13 pontos em um GP do Brasil com o campeonato decidido e sem brasileiros com chances de alguma coisa.
A corrida foi boa, o campeonato foi bom, mas não teve brasileiros na disputa. Não teve graça, portanto, não foi bom para o Barrichello, nem para nenhum brasileiro.
A tendência é piorar.
A partir de 2012, o principal narrador diminuirá o número de transmissões.
E ele só mantém a média alta por gostar muito da coisa toda e conhecê-la bem.
Mas não há mais brasileiros na disputa.
Não tem mais esporte, não dá para torcer pelo Brasil.
Sofre quem gosta e não torce.
Para quem não gosta, resta a esperança de que o beisebol e o rugby brazucas virem paixões nacionais.
Porque parece que não temos combustível para mais uma volta...

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Os méritos

Muitas vezes um campeão se faz por competência própria.
Poucas vezes um campeão se faz pela incompetência alheia.
Algumas vezes um campeão se faz com a mistura desses dois aspectos.
O Corinthians foi campeão no quesito "algumas vezes".
Foi competente nas primeiras rodadas, quando os concorrentes tinham outras prioridades.
Abriu a margem de pontos necessária para não enfrentar sustos.
Enfrentou, já não jogava mais o mesmo futebol, mas contou com a incompetência alheia.
Quando perdia, os outros perdiam também.
Por várias vezes não precisou de esforço. Já tinha se esforçado antes, quando abriu a margem de pontos.
Soube administrar a vantagem depois.
E, assim como todos os vencedores dos campeonatos por pontos corridos, foi campeão com todos os méritos.
Porque arbitragem pode ajudar em uma partida, pode errar a favor algumas vezes, mas não erra a favor em 38 partidas. Não decide 38 rodadas.
E o Corinthians algumas vezes foi prejudicado pelos erros de arbitragem.
Chegou onde chegou por méritos.
E com merecimento ergue a taça.
Parabéns, Corinthians!!